domingo, 30 de dezembro de 2012

OS MELHORES SORRISOS

A pilha deles tem durabilidade muito maior que a daquela das famosas pilhas amarelinhas. Eles acordam antes que todo mundo, pulam, fazem festa, inventam brincadeiras (nas quais somos convidados a participar) e quando estamos esgotados, aquelas cabecinhas pensantes logo sugerem outra atividade daquelas que exigem muita energia. E na hora de dormir dá vontade de procurar o botãozinho de desligar a fonte de tanto pique.

Eles fazem arte, são sapecas, nem sempre aceitam respostas negativas e até fazem birra na tentativa de nos convenceram a ceder um pouquinho. Levam bronca e não guardam mágoas, amam com sinceridade, tem os melhores sorrisos e os mais confortáveis abraços do mundo e vivem nos surpreendendo com tamanha esperteza e inteligência, as quais muitos adultos não tem.

Sem contar que o tempo todo somos exemplos para eles. Temos que conter os palavrões, adaptar o jeito de falar, aproveitar cada acontecimento para ensinar algo novo e responder aquelas famosas perguntas cabeludas que sempre aparecem e nos pegam de surpresa.

Ah, eles tem vontade própria na hora de escolher a roupa, o destino do passeio e tem tanta sinceridade que, por vezes, nos fazem passar vergonha: se é feio é feio, se é ruim é ruim ou se não gostam não gostam.  Hoje mesmo, enquanto passava repelente numa pequena linda de apenas seis anos, ouvi a seguinte frase: "nossa, Lu, seus filhos vão ser muito sortudos porque você vai ser uma ótima mãe". Não consegui ter outra reação além de sorrir e caprichar ainda mais na aplicação do creme contra pernilongos.

Sei que muitos pais identificaram-se e eu, mesmo ainda não sendo mãe, já entendo bem esse famoso jeitinho peculiar das crianças. Já fui "boadrasta" e presenciei todo o conteúdo acima e muito mais. Na hora de sair não basta pegar a bolsa e sair, tem a mamadeira, a roupa para o caso de fazer frio ou de cair sorvete na roupa, tem o leite, a fralda para a noite, a fralda para o nariz, o remédio, o brinquedo favorito, a chupeta, a água; porque pode dar sede no meio da caminho, e uma série de outros itens por precaução. Além disso sempre tive primos pequenos e os tenho ainda hoje. Vários deles já torcem para quando faço faxina no meu armário porque já usam o mesmo tamanho de roupa que eu.

Não sei como é não ser querida por crianças, não fazer amizade com elas dentro de um ônibus ou deixar de passar os fins de semana como babá dos priminhos. Só sei que viver sem os pequeninos por perto deve tornar a vida incompleta.

P.S.: Desejo que sejamos simples, sinceros e poços de amor, igual às crianças.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

DE ROTINA, SÓ OS PENSAMENTOS

O dia prometia apenas rotina e nada mais. Os filmes na TV eram os mesmos da semana anterior, os ponteiros do relógio moviam-se promovendo o barulho constante de sempre e os pensamentos eram os únicos que, naquele contexto, fugiam da mesmice. 

Aquela situação involuntária de nada poder fazer para trazer de volta aquele brilho no olhar era o que mais fazia com que a mente ficasse inquieta. A sensação era de angústia, mas a necessidade de preocupar-se consigo mesma ainda falava mais alto. 

Desistiu da programação disponível no televisor, deitou-se para ouvir música, mas os pensamentos não a abandonaram nem mesmo quando a letra da canção remeteu à ela forte identificação. Chegou a cochilar, sonhou que caminhava na praia e, quando acordou, lembrou-se de ter apostado, certo dia, para ver quem dos dois conseguia arremessar pedras que percorressem a maior distância sobre a água do mar. Por sorte de principiante ela venceu e, ao lembrar-se disso, sorriu timidamente.

Acordou com saudade de se aninhar naquele peito e de ter o direito de sentir-se frágil por alguns instantes. Notou que as mãos estavam transbordando das carícias que não foram dadas e resolveu aceitar o clichê de que "quem acredita sempre alcança". Agradeceu a Deus pelo passado, trocou de roupas, vestiu o melhor sorriso e saiu para aproveitar o presente.

P.S.: Dar importância às pessoas e fazer com que se sintam importantes é um dos hábitos mais lindos à se adquirir.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

PRAZER EM CONHECÊ-LA


Por conta da profissão todos os dias conheço novas histórias. Entre tudo o que já ouvi nos últimos 26 anos de vida, uma pergunta me tocou e ficou ecoando no fundo do meu peito: "você é uma pessoa que gostaria de conhecer?". Esse tipo de pergunta, que te faz companhia durante o banho demorado ou antes de dormir, somado ao típico hábito de fazer balanços sobre a vida no fim do ano merecia mesmo uma reflexão.

Se eu fosse criança, gostaria sim de me conhecer. Tenho bastante afinidade com os pequenos, talvez pelo instinto mãezona de ser e pelo jeito moleca de viver. Se fosse adolescente me sentiria bastante à vontade comigo mesma motivada pela facilidade geminiana de adaptação. Se a adulta de hoje esbarrasse com uma semelhante, provavelmente tentaria me convencer a trabalhar menos e a ganhar mais. E se eu já fosse velhinha e me encontrasse numa das andanças da vida, ficaria feliz em me conhecer porque hoje, entre o que eu aprendi a fazer de melhor, está o hábito de ouvir. E que senhorinha não gosta de dar conselhos ou ter alguém que ouça atentamente as suas histórias?

Acho que, junto com a resposta à essa pergunta feita por uma pessoa simples, porém muito sábia, cheguei à conclusão do quanto é importante investir em mim mesma e em atividades e relações do bem, que acrescentam a mim e a outros. O salto atual é positivo, mas ainda há muito a ser feito. 

E você, é uma pessoa a quem gostaria de conhecer?

P.S.: Ano acabando com todas as metas cumpridas.

sábado, 8 de dezembro de 2012

VIDA SIMPLES


Tenho ficado feliz com coisas tão simples e acordar para isso faz um bem danado. Não sei se tudo sempre esteve por aí e foi o famoso jeito de olhar que mudou com o tempo, ou se só agora os fatos singelos estão realmente gostosos. 

O que sei é que passar algumas horas sozinha na sorveteria deliciando o meu sorvete favorito fez com que eu voltasse pra casa pra lá de satisfeita, além disso, ver o sorrisão lindo dele pela webcam me traz uma alegria contagiante. Receber a ligação de uma grande amiga com quem eu não falava há tempos deixou o meu dia mais feliz, ser elogiada no trabalho trouxe uma sensação de reconhecimento impagável. Ser independente, mas ter o direito de ser frágil quando a barra aperta é uma das melhores sensações de conforto, poder ajudar a quem precisa gera  uma grande certeza interior de que a vida vai bem. 

Ainda bem que o tempo, a vida, ou uma força maior, nos ensina a reconhecer que a grandiosidade faz morada com a simplicidade. O cotidiano fica muito mais proveitoso e bom de ser vivido.

P.S.: "Tome cuidado com a sua vida. Talvez ela seja o único Evangelho que as pessoas leiam." - São Francisco de Assis

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

FAZER RIR

 
Penso que cada um de nós tem a capacidade e a responsabilidade de promover lágrimas ou sorrisos. A oportunidade de fazer feliz é tão importante que determina a nossa própria felicidade e, esperar que os tombos diminuam ou que as recompensas cheguem para só então começar a dar o melhor de si ao mundo, é como deixar de acreditar que o sol existe só porque o dia amanheceu nublado.
 
Com o passar do tempo estaremos cercados de muito mais sorrisos sinceros do que tristeza, e se tais sorrisos forem estimulados por nós, não há expiação que resista.
 
P.S.: Vou passar a vida inteira pedindo perdão e me arrependendo pelas vezes que descontei em alguém a minha chateação pessoal. É um porre aturar gente de mal com a vida! Sempre é tempo de mudança, minha gente.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

FUNDAMENTO NOS CONTRÁRIOS

Amanhecer na praia reabastece inexplicavelmente
Peço imperativamente, no sussuro de um grito, que as contradições da vida tragam certeza para que, tranquilamente, a ansiedade se vá para sempre no momento presente. Quero envolver-me eferamente naquilo que dure o tempo que antecede a rotina que mora fora de mim. Planejo longamente um dia de cada vez e assim me protejo das frustrações que me encorajam a não ter mais medo. Em meio à caminhos ladrilhados com kriptonita tranformo-me em super-herói e voo para perto de tudo o que está distante de impedir a minha paz.

P.S.: "Mar sob o céu, cidade na luz (...) levanta o sol do meu coração, já não vivo nem morro em vão."

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

PERFEITAMENTE EQUILIBRADO


É chegada a hora que não há respostas ou explicações e mesmo assim a serenidade faz morada bem lá no fundo. Gera estranheza a forma com que os caminhos se cruzaram sem planejamento, apesar disso a surpresa é positiva. 

A saudade incomoda, mas intensifica o companheirismo. As coincidências assustam, porém aumentam a vontade de estar junto. A ansiedade se faz presente, mas é a principal responsável pela maturidade. 

A novidade dá medo e também é a causadora dos sorrisos espontâneos. O passo é grande, incerto, contudo é o que fortalece a parceria. E é justamente por meio de tantos contrapontos que a harmonia se faz presente entre as batidas do coração.

P.S.: "Pra você guardei..."


quinta-feira, 15 de novembro de 2012

SAUDADES DESCABIDAS

Quando uma história de amor chega ao fim sempre procuro colocar ponto final de dentro para fora e depois me empenho em ajudar o coração a aceitar que a vida continua. Nem sempre foi fácil, mas depois que a somatória treinamento e otimismo entraram na jogada, tornou-se mais leve e natural lidar com "the end". Até porque os recomeços tem sido surpreendentemente melhores.Desta vez, fiquei mais piegas, fui feliz por ter tido um lugar para descansar meus ombros, dei colo, carinho e, pela primeira vez na vida, quis declarar o meu amor em um outdoor para que todo mundo pudesse partilhar da minha felicidade abundante. Arrisco a dizer que foi o maior amor da minha vida até agora e, por isso, claro, demorei a aceitar que a relação entre aquele jornalista de apelido  e cabelo peculiares e esta que vos escreve, havia chegado ao fim.

Mas quando a gente menos percebe a dor passa, o sentimento fica inerte, escondidinho e o que resta acaba sendo apenas aquilo que permitimos. Hoje permanecem as lembranças e as saudades descabidas que escolhem sempre os momentos mais inoportunos para aparecem. Quando isso acontece, procuro me ocupar, focar nas minhas metas e assim acabo distraindo o coração.

Queria que tivesse dado certo e fiz o que podia para isso, mas como já ouvi; talvez tenha sido a pessoa "certa" no momento errado. Como tudo tem seus propósitos, só me resta esperar pela chegada de um sentimento tão verdadeiro e tocante quanto esse. Enquanto isso não acontece, aprendi a viver um dia de cada vez e, principalmente, passei a ser prioridade na minha vida e doar meu tempo e minha dedicação apenas a quem prova que merece.

P.S.: Mala pronta e bilhete de embarque em mãos. Ilha Bela e Maresias, aí vamos nós!

domingo, 11 de novembro de 2012

RECLAMÃO NÃO

O tamanho do problema está nos olhos de quem o vê
Tenho ouvido tanta gente reclamar sempre dos mesmos problemas que comecei a observar o esforço delas em mudar o jeito de olhar para a situação ou em conseguir colocar ponto final naquilo tudo que causa incômodo. Fiquei bastante surpresa ao notar que, apesar de recebere apoio e diversas sugestões para lidar com as adversidades, a maioria dessas pessoas empurrou o problema com a barriga sem deixar as reclamações de lado.
 
Quem age assim pode conviver com amigos,namorados, familiares ou colegas de trabalho repletos de paciência e que o queiram bem, mas pessoas reclamonas são tão desagradáveis quanto gente mal humorada e cansam aqueles que se dispõem a estar com elas. E se a situação já está difícil, imagine passar por ela sem o apoio oferecido por quem gosta de você e oferece ajuda.
 
Lembre-se que felicidade é para quem em vez de viver se lamentando, tem disposição para fugir dia após dia da "zona de DESconforto".

P.S.: Sexta tem Sampa e sábado, Ilha Bela! "Voar, voar, subir, subir..."

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

EMPREENDER

Para comandar bem uma empresa aprendemos que é necessário que o empreendedor saiba executar ele mesmo as funções que são realizadas pelos funcionários que trabalham e colaboram com o crescimento do negócio.
 
Penso que conosco, no dia a dia, cada um de nós também deveria se tratar como uma empresa, a qual precisa de investimentos, manutenção, bom desempenho em todos os setores, qualidade no corpo de funcionários, ótimo relacionamento interno e externo, seletividade na matéria-prima que chega e naquilo que é produzido e, por aí vai. Não é preciso estudar administração para conhecer os trâmites básicos, não é mesmo? 
 
Eu, como empreendedora de mim mesma, cheguei à conclusão de que ando querendo declarar a dependência. Ser independente o tempo todo é vanguardista demais. Hora de procurar uma sociedade para dividir o trabalho e aumentar a lucratividade!
 
P.S.: "Mais vale um exemplo do que um milhão de palavras" - Emmanuel.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

DESPEDIDA

Já imaginou como é dar tchau à uma criança que encara pela primeira vez a "situação do adeus" e que chora enquanto acena um tchau sincero com a mão? Dói, dói muito ver ela ali imóvel e com lágrimas no rosto enquanto o destino cumpre seu papel. 

No mês de setembro, naquela rodoviária, senti a mesma dor. Dessa vez não se tratava de uma criança, mas de um amor. Não consigo me lembrar de nada daquilo que foi dito durante os curtos minutos que antecederam o embarque, a não ser de uma frase acompanhada de um gesto: a mão em meu pescoço (que estava coberto por um escapulário).

Minhas experiências com rodoviárias não são nada boas porque por diversas vezes fui obrigada a dar adeus à pessoas queridas. Até logo a gente sempre tira de letra, mas adeus tem um peso grande e representa a necessidade do desapego, na maioria das vezes; significa que, ao contrário de uma breve falta de contato, os personagens não se verão mais.

Talvez por isso nunca fui muito boa com despedidas e até cheguei a comparar, por diversas vezes, sentimentos ruins com a sensação de adeus em rodoviárias. Ali, quando o ônibus começa a partir, o afastamento é consentido, mas nem por isso deixa de ser triste (era o que eu sempre pensava). Mas, na data de hoje, tento aceitar que despedidas nem sempre são ruins porque podem representar recomeços, mudanças positivas ou  desapegos necessários. 

Às vezes a gente só quer que tudo termine e reinicie melhor.

P.S.: Duas despedidas no mesmo dia...teste de resistência.

MIMIMI


Quinta-feira tem show encantador pelo Sesc e, entre todas as músicas da "Banda mais bonita da cidade", essa é a minha favorita. 

P.S.: Mal me quer, bem me quer, mal me quer, bem me quer...

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

SELETIVIDADE



"Aquilo que você come pode contaminar todo o seu corpo.

Mas aquilo que você vê vai direto ao seu coração em uma velocidade muito mais rápida que o seu próprio pensamento.

Pense bem onde põe os olhos. Eles são insaciáveis.

E a contaminação é sutil e terrivelmente mortal. 
Toda a sua alma será aprisionada em si mesma, sem as chaves pra sair dessa prisão.

Não se exponha a tudo e todos. Não saia da tua zona de segurança e luz. Não abra suas janelas só por curiosidade. Pois quando entrega os seus olhos à alguém com eles está todo o seu coração."  

(Bianca Toledo)

P.S.: Penapolense líder nas quartas-de-final e São Paulo no G4. Vamos que vamos!

sábado, 13 de outubro de 2012

MATURIDADE


Sabe quando não está do jeito que você queria, mas está bom assim mesmo? Acho que aprendi a apreciar os imprevistos que a vida traz. Que a maturidade nunca nos afaste daquilo tudo o que causa frio na barriga!

P.S.: 2012 não se afobe não porque ainda tenho muito a fazer antes da nossa despedida.

terça-feira, 9 de outubro de 2012

SEMANA LONGA


"Se hoje fosse o último dia de minha vida queria fazer o que vou fazer hoje? E se a resposta fosse não por muitos dias seguidos sabia que precisava mudar algo." - Steve Jobs

P.S.: Vida fácil a do Mestre dos Magos, né? Quando a coisa fica difícil ele simplesmente desaparece.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

SONHADORA


"Sonho parece verdade
Quando a gente esquece de acordar
E o dia parece metade
Quando a gente acorda e esquece de levantar
Ah... e o mundo é perfeito!
Hum...e o mundo é perfeito!
E o mundo é perfeito!"
 
P.S.: Ando querendo colocar a mochila nas costas e me encontrar pelo mundo. Por ora, folga no feriado e malas em estado de planejamento.


GLUB GLUB

Lu Phelps
Há adultos que não sabem andar de bicicleta ou cozinhar, por exemplo. Já eu não sei nadar. Pois é, nem mesmo boiar eu consigo e olha que não foi por falta de tentar porque algumas boas almas já ousaram conseguir tal façanha, mas o fim das contas é sempre o mesmo; gargalhadas.

Mas deste ano não passa! Quase tudo pronto e lá vou eu, aos 26 anos, ter aulas de natação. Sou ansiosa por natureza, adoro piscina e tomar sol à beira dela, portanto, acho que vai ser promissor. Mais uma da série "vivendo e aprendendo", mas agora com esperança de não engolir água de mais!

P.S.:“Exige muito de ti e espera pouco dos outros."

FICOU PRA TRÁS

Tudo o que vai, deixa o gosto, deixa as fotos...
Acredito que assim como é fundamental correr atrás, investir, dar o primeiro passo, quando necessário; também é preciso saber o limite de até quando tentar. Pode ser que mudar de foco, redirecionar o empenho seja o melhor a fazer, mas a nossa mania de querer que tudo seja do jeito que queremos não nos permite perceber quando chega esse momento.
Não por ser segunda-feira, até porque se for para começar ou recomeçar algo não temos que ter dia para isso, mas a partir de hoje, me despeço de toda a vontade e esperança de que aquele apelido diferente jamais deixasse de fazer parte da minha vida.
Sei, sei que parece dramático, mas é só uma resolução prática, assim como todas elas deveriam ser. Vamos que vamos!
P.S.: A partir de agora só leio Futebol Interior e o site oficial.rs

domingo, 7 de outubro de 2012

RESENHA

E hoje resolvi retratar por meio de fotografias os "meus bastidores" do jogo de ontem entre Penapolense e Botafogo, lá em Penápolis, onde a partida terminou em 3x2 para o time da casa, que perdeu muitas chances de gol, mas garantiu a vaga para a terceira fase da Copa Paulista!

Na primeira foto, eis a minha Pantera,  enquanto ainda não tenho o meu uniforme.


Uniforme improvisado

Momento tietagem com Luciano Gigante, meu companheiro na altura.
Gigante, aniversariante de hoje e eu, com os olhos fechados, pra variar

Depois, o presente da noite! Um menininho de oito anos subiu até onde eu estava para assistir o jogo, ficou atrás de mim, esperou até que eu olhasse para ele e soltou a pérola tão fofa quanto inocente: "achei você muito linda". Eu fiquei super sem graça, comecei a bater papo com ele para disfarçar, mas adorei, claro.

Esse é o Bernando, "meu admirador de Penápolis", todo tímido na foto

P.S.1: Acompanhando as apurações das Eleições 2012 neste domingos dia que, sem sombra de dúvidas, teve menos que 24 horas.rs
P.S. 2: Campeã duas vezes: valeu  SPF pelos 3x0 nos porquinhos!

sábado, 6 de outubro de 2012

CÂMERA, AÇÃO E TENENTÃO

Não cheguei com o o melhor dos meus sorrisos e, o rapaz que quase sempre é o mesmo a vender a mim os ingressos para o cinema, notou a falta do semblante habitual. Estava atrasada e por isso solicitei duas entradas para filmes diferentes (ambas para mim).

Apressei os passos até a primeira das salas e notei a falta da movimentação rotineira e, ao indagar sobre a paradeira, descobri que eu era a única espectadora para a estreia do filme "Ted" na minha cidade. Apesar do avançar das horas, o administrador concordou em exibir a sessão apenas para mim. Entrei, escolhi o melhor assento e fiquei ali, esperando com um misto de sensações; não sabia se ficava feliz pelo privilégio ou chateada pelo estado de solitude.

No final das contas, comentei o filme a mim mesma e dei algumas boas risadas com o urso que usa drogas e transa com a funcionária do caixa de um supermercado, apesar de achar a obra fantasiosa demais. Em contrapartida, havia muito tempo que não via uma animação que fizesse com que eu saísse satisfeita do cinema, e o "Hotel Pensilvânia" foi a melhor delas depois de "Procurando Nemo", na minha opinião de cinéfila analfabeta. Sempre fui apaixonada por animações, confesso e, em alguns casos, sei todas as falas dos personagens (nesse mundinho, normal é não ser normal).

Pantera da Noroeste em treino
P.S.: Hoje é dia de coração dividido porque Penapolense e Botafogo (meus dois times do interior paulista) se enfrentam no Tenentão. Enquanto o CAP está láaa na ponta da tabela, rumo à Copa do Brasil, o Fogo caminha devagar, quase parando. E agora, José?

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

SÉTIMA ARTE

Hoje vai ser dia de "costuradinha" pelas sessões do cinema. Necessariamente nesta ordem:






P.S.: "Se olhar à sua volta e observar os fardos que os outros estão carregando, vai perceber que a vida tem sido generosa com você."

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

NAMORO, A MISSÃO

" Namoro de hoje não é mais a dois, e sim em equipe:

- Um homem;
- Uma mulher;
- Um (a) ex tentando acabar com tudo;
- Um (a)amigo (a)  mentalizando inveja em segredo;
- Um (a) falso (a) plantando discórdia;
- Um (a) amigo (a) cachaceiro (a) chamando para a balada."

Não sei se vocês tem mais sorte que eu, mas comigo sempre foi assim. Por outro lado, me conforta conhecer casais que permanecem juntos e felizes há bastante tempo.

P.S.: Será que vai pegar o apelido do Edison Só? Zangado, veio bem a calhar! Falando em gente ranzinza, será que é normal desejar o bem a alguém #cricri?

ENTRE ENCANTOS E DESENCANTOS

Na época que meus pés ainda calçavam sandálias com a numeração que hoje equivale à minha idade, o grande sonho que eu mantinha era viajar de avião, abrir a janela da aronave e tocar as nuvens com as mãos. Ficava imaginando qual seria a textura daquilo que ficava lá no céu e que eu não sabia o que era. Então supunha que elas deviam ser fofinhas, parecidas com o algodão que minha mãe usava para limpar meus machucados ou que fossem macias, iguais aquelas propagandas da Malve.

Mas antes mesmo que eu descobrisse que Papai Noel era apenas um personagem fictício, alguém (não me lembro quem), contou-me que as nuvens, tão lindas de serem apreciadas de lá do quintal da minha casa, não passavam de uma espécie de fumaça. Pois é, fumaça, simples e sem graça assim.

Depois continuei encantando-me e perdendo alguns de tais encantos com a chegada das experiências proporcionadas com o passar dos calendários. A maturidade e o conhecimento podem abrir portas, mas, em troca, nos roubam grande parte da inocência.

Hoje continuo à procura de descobertas e situações que possam ser tão representativos quanto as nuvens foram um dia. E assim penso que talvez baste voltar a usar a sábia inocência infantil e contentar-me com "pouco", com o simples. Acho que, nessa hora, vale a regrinha do roto termo "carpe dien", dentro do limite que nos cabe. Vamos mergulhar no que a vida proporciona.

P.S.: Com tantos cabelinhos arrumados com gel por aí e eu aqui querendo só o seu..."UI, QUE RAIVA".rs

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

REFÚGIO




“Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei comigo que sou brando e humilde de coração e achareis repouso para vossas almas, pois é suave o meu jugo e leve o meu fardo.

Todos os sofrimentos: misérias, decepções, dores físicas, perda de seres amados, encontram consolação na fé no futuro, na confiança na justiça de Deus, que o Cristo veio ensinar aos homens.

Entretanto, faz depender de uma condição a sua assistência e a felicidade que promete aos aflitos. Essa condição está na lei por ele ensinada. Seu jugo é a observância dessa lei; mas esse jugo é leve e a lei é suave, pois que apenas impõe, como dever, o amor e a caridade."

P.S.: Com o passar do tempo a ausência passa a ser consentida e a saudade, suportável.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

ELE PROVÊ


Hoje decidi repostar um texto sobre mentiras, que vem a calhar no momento. Espero seja realmente oportuno.
Há quem se esqueça que para garantir a própria alegria não é preciso causar sofrimento alheio
Tenho lido mais, estudado mais, dado mais atenção a quem precisa, sido mais tolerante e com o tempo começo a perceber que tudo aquilo que nos fere agora também é o que nos promove a cura e o dom de compreender de dentro para fora situações descenessárias, como a mentira.

Sei que é mentiroso aquele que afirma não contar mentiras, mas desde pequena tenho muita dificuldade em distribuir mentiras, principalmente quando elas envolvem pessoas por quem tenho apreço. Há quem diga que mentir é necessário para evitar sofrimento ou para facilitar situações, mas estes se esquecem que uma mentira descoberta pode gerar consequências irreversíveis.

Bastaram algumas reflexões para perceber que, apesar de todas essas descobertas desagradáveis, a vida tem me ensinado muita coisa. A ser mais desconfiada e a perceber que nem todo mundo é bom de natureza. Também percebi que tem quem adote as mentiras e omissões por pura insegurança ou por mecanismo para ganhar vantagem. Penso ainda que se descobri não foi à toa e foi para evitar dores difíceis de serem superadas. Aprender a dosar e a direcionar o bem que todos devemos querer praticar foi mais uma lição aprendida (antes tarde do que nunca).

É engraçado perceber que os valores estão invertidos. A primeira impressão é de que o mundo é mesmo dos espertos, que colocam suas necessidades acima de tudo e de todos.

E, acima de tudo isso, acredito que a justiça divina tudo provê e tudo controla. E, não é porque esbarrei com alguns seres viciados em mentiras que vou deixar de começar  a desacreditar. O que muda agora é a cautela e o esforço (agora menor) para compreender quem depende da omissão, da invenção ou da mentira para entender-se feliz.

P.S.: "A vida, como a fizeres, estará, contigo em qualquer parte."


domingo, 23 de setembro de 2012

AINDA HÁ TEMPO

"O tempo voa, amor"
Os supermercados já estão repletos de panetone e, ainda assim, tenho a impressão de que se passaram apenas cinco meses do ano. De qualquer forma, ainda restam três meses e tenho uma meta para executar antes que 2012 termine: não prolongar situações e não perder tempo pessoas sem importância; aproveitar intensamente situações e pessoas importantes; e, principalmente, saber distinguir uma situação da outra. Simples assim!

P.S.: Vale sempre lembrar que aquilo não nos mata, nos fortalece!

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

RESPIRAR NO DESCONFORTO

Improvisar também garante conforto
Desde que nascemos somos estimulados ou obrigados a aprender a respirar no desconforto. Não é preciso pensar muito para encontrar um exemplo presenciado por todos nós. Quem é que nunca viu uma criança que, certo tempo depois de aprender a andar, insiste em pedir para ser segurada no colo? 

Locomover-se com as próprias perninhas cansa, é preciso dar vários passos rapidamente para acompanhar o caminhar de um adulto e, por esses e muitos outros motivos, ter colo à disposição é muito mais confortável. E conosco é assim durante toda a vida. Somos obrigados a fazer escolhas, mudanças, encarar imprevistos ou até mesmo aceitar resultados aquém da nossa vontade. 

Para um vendedor, por exemplo, não é nada agradável ter que atuar como professor, de uma hora para outra. Mas toda experiência que nos tira da zona de conforto é produtiva, já que no mínimo nos acrescentará alguma espécie de aprendizado; quando não, funcionará como estímulo para crescimento pessoal, descoberta de aptidões ou irá nos abrir os olhos para determinados aperfeiçoamentos, necessidades.

Nas últimas semanas tenho percebido que a minha capacidade de lidar com o desconforto aumentou generosamente e, percebi que a motivação para isso foi a abertura de ousar e permitir passar por situações novas e desafiantes e, a principal mola propulsora foi enfrentar de um jeito inovador histórias semelhantes as já vivenciadas.

Acredite, respirar no desconforto pode ser positivo, só depende da interpretação que damos ao que vivemos.

P.S.: "Sorte é quando a hora certa encontra a oportunidade."

terça-feira, 18 de setembro de 2012

NÃO VENHA


Não venha partilhar da minha parceria se não for pra valer a pena. Nem chegue se nada tiver a aprender ou a ensinar. Não queira se envolver se o que procura é uma princesa porque, apesar de ser apaixonada por leitura e gramática, gosto de jogos de baralho e vídeo game; mesmo sendo meiga partilho de boas pitadas direcionadas de luxúria  e,  além da preferência pelo salto alto vou a bares e gosto de futebol.

Não venha com mentiras ou falsas promessas porque o tempo é realmente precioso e prepare a mochila porque eu não sou de lugar algum. Esteja pronto a ser descoberto porque leio almas e se gosta de rotina, saia correndo porque sou "uma metamorfose ambulante", vivo errando, acertando, mudando porque o que vale é progredir. 

Não se dá bem com carinho? Então não sou o caminho indicado porque sou feito cães pequenos que abanam o rabinho quando recebem afeto e que também se jogam para demonstrar amor pelos irmãozinhos. Não queira fazer parte da minha história se não estiver disposto a complementar e ser complementado porque corro do egoísmo e sou toda amor.

Então, não venha! Ou venha se nos convier.

P.S.: Já sinto o cheiro da cidade que sempre deixa um gostinho de quero mais em quem a visita. Vem folga, vem!

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

COISINHA


Duas dúzias de coisinhas à-toa que deixam a gente feliz

Passarinho na janela, pijama de flanela, brigadeiro na panela.Gato andando no telhado,cheirinho de mato molhado,disco antigo sem chiado.

Pão quentinho de manhã, dropes de hortelã, grito de Tarzan.Tirar a sorte no osso, jogar pedrinha no poço, um cachecol no pescoço.

Papagaio que conversa, pisar em tapete persa, eu te amo e vice-versa. Vagalume aceso na mão, dias quentes de verão, descer de corrimão.

Almoço de domingo, revoada de flamingo, herói que fuma cachimbo. Anãozinho de jardim, lacinho de cetim, terminar o livro assim.

(Otávio Roth)

P.S.: Eu acho que vi um gatinho!

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

AQUI ESTÁ ELA

A cada lembrança eu poderia morder o canto da boca, o que faço habitualmente quando estou tensa, ou talvez, depois de recordar-me, sentiria arrependimento ou tristeza e ambos ficariam nítidos através do meu olhar transparente; mas não, nada disso sequer faz menção de surgir aqui dentro do peito. 

O que tem feito morada em mim é a saudade, mas não aquela que dói ou faz sofrer, e sim uma nostalgia daquelas que sentimos quando revemos fotografias da época em que éramos crianças. Sabemos que foi um tempo bom, com o seu devido propósito e que, sem o privilégio da escolha, tivemos que deixar para trás. Isso, esse é o sentimento do tempo presente.

Quando, sem querer, pronuncio gírias que antes não usava, no momento que acordo, rezo e desejo bom dia com vontade suficiente para que a vibração percorra quilômetros de distância e alcance a "Selva de pedras"; é aí que a saudade bate à porta.

Cada vez que levo as mãos até o escapulário que agora me protege, naquela hora que edito matérias sobre o futebol do interior de São Paulo ou quando chega a quinta-feira e eu me lembro da pós e da jovialidade gritante; é aí que a saudade vem.

No carinho sem alvo, na curiosidade de saber se o almoço tem sido apenas na padoca (onde os doces são atentados aos olhos), na vontade de provocar a segurança e de receber doses homeopáticas de bom humor; é aí que a saudade mora.

E então penso que quem  não tem a saudade como um dos capítulos da história da própria vida, é porque ainda não viveu.

P.S.: "Eu quero sempre mais que ontem, eu quero sempre mais que hoje..." 

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

A CAMINHADA CONTINUA

Devagar, mas sem parar

Próximo passo: viver em alto e bom tom, sem servir de escora, sem medo de colecionar cinco erros para cada acerto e, com muita vontade de ir além. Sou grata a cada desafio, conquista, perda, resposta e aprendizado que chegaram propositalmente. 

Para cada ciclo que termina chega uma nova forma de enxergar o mundo e a mim mesma  e, com ela, os ventos sopram trazendo mais paciência, capacidade de regeneração e compreensão  dos propósitos.

Estimo que os futuros encontros desta vida deixem marcas positivas, tal como um sorriso sincero e gratuito oferecido por alguém que sequer conheço. Que o bom humor seja feito cheiro de tangerina que, depois de descascada, espalha-se por todo o ambiente e que as boas energias ultrapassem todas as barreiras e sejam cura para as mágoas que, porventura, insistam em permanecer.

Porque o tempo provoca o amadurecimento e este, por sua vez, nos faz querer o melhor para nós e para os outros. Que façamos as melhores escolhas hoje e sempre.

P.S.: "Além do horizonte existe um lugar bonito e tranquilo pra gente se amar."

domingo, 19 de agosto de 2012

DESDE SEMPRE E PARA SEMPRE


Duas garotinhas, uma com seis e a outra com sete anos de idade. Elas não podiam ficar distantes uma da outra um dia sequer e, se isso acontecia, choravam como se aquilo fosse o fim do mundo.

Uma amizade pura e verdadeira que foi crescendo junto com os centímetros que as duas meninas ganhavam com o passar das primaveras. Veio a adolescência, o primeiro sutien, a primeira bicicleta, o primeiro beijo, o primeiro baile, o primeiro prato na cozinha, o primeiro vestibular, o primeiro namorado, a saída da casa dos pais. Uma falava de botânica e queria que a outra decorasse os nomes científicos das árvores e a outra só falava em pautas e notícias.

Muito puderam aprender e ensinar entre si. Estavam sempre juntas, fosse nas caminhadas pela cidade pequena e quente, nas idas ao salão ou nas missas de todo domingo.

Quando precisaram morar fora da cidade onde conheceram-se, encontraram nas mensagens eletrônicas uma forma de manter o contato diário. Ali continuaram a trocar lágrimas, sorrisos, confissões e desabafos.

Antes mesmo de descobrirem o amor prometeram entre si que a primeira a casar teria a outra como madrinha. E assim foi, diante de muito chororô, por parte desta manteiga derretida que vos escreve. Foram lágrimas do começo ao fim da cerimônia.

Hoje continuam torcendo uma pela outra e tentando driblar a rotina diária que tenta, em vão, separá-las. Sabem-se ali, prontas para se cuidarem, independentemente da circunstância. A ligação entre ambas permanece ainda pura e verdadeira, mas agora com a certeza de que nem o passar do tempo pode prejudicar o carinho entre as duas amigas de infância.

P.S.: É a única que me ouve sem julgar, me dá carinho sem cobrar e sempre me ensina a ser melhor.

sábado, 18 de agosto de 2012

ASSIM

Feito a tinta que colore tela em branco, igual a chuva que empresta força das nuvens e precipita para dar vida à terra, tal qual o abraço apertado que acalenta aquele que sente saudade.

Semenlhante ao riso frouxo que surge para esquecer do que incomoda, como o perdão que garante o ponto final à mágoa, igual ao medicamento que traz alívio à dor e ao agasalho que protege dos efeitos do frio.

Igual a cobertura doce que acresce sabor e beleza ao bolo, do mesmo jeito que conselho de mãe transporta segurança.

Encantadoramente simples, assim são os sentimentos que nos aplacam quando circulamos com peito aberto e vestidos de distração.


P.S.: "Porque eu só preciso de pés livres, de mãos dadas e de olhos bem abertos". - Guimarães Rosa

terça-feira, 14 de agosto de 2012

PROGRESSO

Sempre achei que as teorias eram lindas e sábias, mas não passavam de teorias. Felizmente, tenho agora a oportunidade de entendê-las com a alma.

Resuminho dos últimos cinco dias em São Paulo

P.S.:  É impossível haver progresso sem mudança e, quem não consegue mudar a si mesmo, não muda coisa alguma." - Bernard Shaw

terça-feira, 31 de julho de 2012

SOU O QUE JÁ FUI E O QUE AINDA VOU SER



"Você não é aquilo que sua vida é. Você não é o momento que você vive. Você é aquilo que ninguém vê. Uma coleção de histórias,estórias, memórias, dores, delícias, pecados, bondades, tragédias e sucessos, sentimentos e pensamentos. Se definir é se limitar. Você é um eterno parênteses em aberto. Enquanto sua eternidade durar". 

(Martha Medeiros)

P.S.: Aprendi a não deixar para amanhã o que eu posso deixar pra lá!

sábado, 28 de julho de 2012

SÃO TANTAS MANIAS


Todos temos manias e mente quem afirma o contrário. Eu, por exemplo, tenho mania de acreditar que o fato de olhar para o relógio e ver horas iguais tem algum significado. Perco totalmente a concentração quando começo com a mania de  mexer no cabelo e gasto  mais tempo do que gostaria no banho por ser refém da mania de lavar o cabelo todos os dias.

Tenho mania de verificar a todo momento se a seta da moto está mesmo desligada durante o percurso, tenho também aquela mania de achar que todo mundo é bom por natureza e, por isso, merece ajuda ou compreensão. Também fico agora com mania de ter medo de repetir erros e por isso desenvolvi a mania de viver achando que preciso de ajustes.

Teimo em insistir na mania de deduzir o perfil das pessoas de acordo com o signo do zodíaco ao qual ela pertence, e não abandono a mania de ver álbuns de fotos ou revistas de trás para frente. A mania de estralar os dedos  e de levar as mãos ao rosto me perseguem há anos, sendo que, esta última sempre fica registrada em fotografias.

São muitas as manias, admito, mas nenhuma delas me incomoda e consome tanto quanto uma que mora em mim há alguns meses; é a mania pensar em você.

P.S.: Cuidado com o marketing pessoal que ouve por aí. Afinal de contas, quem se vende sempre recebe valor maior do que realmente vale.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

RESPOSTA


"Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu." - Eclesiastes 3 : 1

P.S.: Eternamente agradecida!

quinta-feira, 26 de julho de 2012

DIFERENTE

Tudo é passível de mudança. O mundo dá voltas.
 Depois de anos de convivência diplomática ele resolveu bater à porta da casa nova.

Não tenho dúvida de que, se pudesse falar, aquele tapete colocado estrategicamente no centro da sala desabafaria que o visitante e eu parecíamos dois desvairados, falantes, na vã tentativa de esgotar todo o assunto acumulado durante o decorrer de muito tempo.

Tento recordar-me se em algum momento daquelas quatro horas de prosa o silêncio se fez presente. Acho que não. Até mesmo na hora de provar a comida de vó, que ele preparou excepcionalmente para fazer um agrado a mim, fizemos questão de perder a etiqueta, e, com a boca cheia, entre uma mordida e outra, não conseguimos calar o impulso de falar, falar e falar.

Acho difícil tentar explicar como foi. Talvez tenha sido...diferente. Isso, foi assim que me senti diante daquela reaproximação, diferente. Também houve uma boa pitada de contentamento e a noite terminou com a certeza de que o mundo é realmente dá muitas voltas.

P.S.: "Hoje o tempo voa amor, escorre pelas mãos mesmo sem se sentir. Não há tempo que volte, amor. Vamos viver tudo o que há pra viver. Vamos nos permitir!"

quarta-feira, 25 de julho de 2012

LÊ QUEM É CAPAZ

Sou como um livro,
Há quem me interprete pela capa.
Há quem me ame apenas por ela. 


Há quem viaje em mim.
Há quem viaje comigo.
Há quem não me entende. 


Há quem nunca tentou.
Há quem sempre quis ler-me.
Há quem nunca se interessou. 


Há quem leu e não gostou.
Há quem leu e se apaixonou. 


Há quem apenas busca em mim palavras de consolo. 
Há quem só perceba teoria e objetividade.
Mas, tal como um livro, sempre trago algo de bom em mim. 



(Autoria desconhecida)


P.S.: É verdade que nunca fui fã de operações matemáticas, apesar disso, aprendi que simplificar é quase sempre o melhor caminho.

segunda-feira, 23 de julho de 2012

INTERIOR PAULISTA


Fevereiro de 1989

De dia o cheiro era do jardim da casa onde cresci. Pouco mais tarde (se é que seis horas da manhã pode ser considerado um horário mais ou menos tarde) sempre tinha aquele cheiro de alho que vinha da marmita que a vizinha preparava para o marido. Era fácil adivinhar o cardápio do dia nas residências ao redor.

Alguns moradores da esquina vi crescer e um da direita vi morrer. Na família que morava do outro lado tínhamos plena confiança e eram eles que guardavam as chaves da nossa casa em situações de emergência (como o aparelho celular fazia falta naquela época).

Não era difícil saber que o João e a Rosa discutiam todos os dias. Ju e família assistiam TV em alto volume e davam gargalhadas ao ver o Programa do Jô em um horário que a maioria dos vizinhos já esquentava as camas com os corpos preparados para a labuta do dia seguinte.

Por lá são poucos os prédios, mas nas ruas tem carros novos daqueles que nem anúncio na televisão tem ainda. O que não tem por lá é cheiro de trânsito. Depois que a noite cai, tem lugar da cidade com aroma de cachorro-quente, gosto de terra molhada e morador sentado na cadeira de área, colocada estrategicamente na calçada, para observar o movimento nas ruas. Também tem lugar com cheiro de mato, mato mesmo, e muitas casas em construção.

Foi nesse lugar, com menos de duzentos mil habitantes, que nasci e cresci cercada por valiosas percepções. E é para essa mesma Terra que volto sempre que preciso recarregar as energias. Ter raízes é fundamental para manter a base estruturada.

P.S.: Recalculando rota e fazendo reajustes!